As Aventuras de Malí e Tetéo

R$ 32,90 Preço normal
R$ 19,90Preço promocional

Existem escritores de todos os tipos. Há aqueles que reproduzem histórias ouvidas aqui e acolá; os que usam a imaginação para criar tramas fantásticas; os que retratam a vida de personalidades; os que cavam atrás de fatos históricos; e há os que tiram da própria experiência a inspiração de uma narrativa, seja ela boa ou ruim. Quando esses dois sentimentos conflitantes se entrelaçam e dão uma vida a um livro que pode ajudar na prática outras pessoas, a emoção é certa.Tercio Bernardes, bancário em Joinville, cutucou lembranças e feridas para produzir “As Aventuras de Malí e Tetéo”, livro que trata, pura e simplesmente, da relação dele com a irmã.

 

Tercio e Mahelí sempre foram muito próximos, inclusive na idade (a diferença entre eles é de apenas 15 meses). Adultos, viraram “unha e carne”: fizeram faculdade juntos, trabalharam na mesma empresa, passaram em concurso juntos e hoje atuam no mesmo banco. Nem uma gravíssima doença, que quase tirou a vida da moça, abalou essa relação.

 

Mahelí nasceu com um problema congênito no intestino. Em 2013, após uma intoxicação alimentar, a situação se agravou, e muito. Ela precisou ser operada e teve quase todo o intestino removido. As chances de sobreviver eram remotas. Milagrosamente, Mahelí conseguiu, mas não sem passar por um longo e doloroso tratamento.

 

No hospital, Tercio tratou de animá-la dizendo que ela precisava se recuperar para que pudesse ler a história que estava escrevendo, no qual os dois eram os protagonistas na infância.

 

Eu nunca tinha escrito nada infantil até aquele momento, mas falei de coração. Ela, por alguma razão que desconheço e para minha surpresa, lembrou-se disse e me cobrou a tal história”, conta Tercio.

 

Ele então levou a promessa adiante e iniciou a pesquisa para transformar as aventuras dos pequenos irmãos em livro. A essa altura, já não era mais só um gesto de afeto, um vínculo literário da dupla, mas a possibilidade de que o cotidiano, os cenários e as brincadeiras da infância viessem a alegrar outras crianças (e adultos também, claro).